quinta-feira, 1 de setembro de 2011

"A Terra do Chiculate ", por Rogério Rodrigues - III

Intervenção Cívica

A intervenção política da emigração portuguesa nunca foi significativa. Foi uma emigração essencialmente económica, diferente da espanhola ( refugiados da guerra civil, muitos deles combatentes, mais tarde nos maquis contra os alemães), mesmo dos italianos e de alguns países de Leste, fugidos ao regime bolchevique, muitos russos brancos, oficiais polacos e húngaros. Diga-se que já década de 60, apesar da Ditadura franquista, a economia espanhola começava a ser próspera.
Começam agora a aparecer alguns filhos e netos de emigrantes, como Nathalie Oliveira, por exemplo, conselheira municipal de Metz, a tentar intervir na sociedade e na política francesas. Mas são uma gota de água no oceano. Em 900 mil portugueses existentes em França, ainda são poucos os que frequentam a Universidade. Muitos deles ficam-se pelos cursos médios das escolas profissionais.
Já os seus pais nunca compreenderam a rebelião geracional de Maio de 68. Ficaram atemorizados com as utopias de Cohn –Bendit, Alain Krivine e Jacques Sauvageot. Eram utopias que não faziam parte do seu universo Eram-lhes incompreensíveis e sobretudo, motivo de inquietação. As greves e a greve geral apanharam-nos desprevenidos. Alguns furaram-nas e muitos fizeram as malas e viajaram até Portugal à espera que o Inverno da realpolitik matasse o enxame das utopias.
Outro tipo de emigrantes esteve activo nas manifestações do Maio de 68. Não pertencia à comunidade dos emigrantes. Eram os exilados e fugidos à guerra colonial Faziam sobretudo política, divididos nos mais diversificados grupúsculos: comunistas ( revisionistas ou sociais-fascistas como mais tarde seriam classificados por essa exuberância e impertinência ideológicas consumíveis no chamado MRPP), maoistas, trotkistas, guevaristas.
Jorge Palma toca no metro, Luís Cília compunha a música do filme O Salto de Christian Chalonge, Zeca Afonso, um desconhecido para os emigrantes, gravava com Fausto e José Mário Branco, num palacete dos arredores de *Paris, a Grândola,Vila Morena. Mas o contacto com os emigrantes era praticamente inexistente, exceptuando a distribuição do jornal O Emigrante, de forte carga política, na banlieue, nos bairros periféricos de Paris, Champigny e Aubervilliers, entre outros.


Os Velhos

Antes de falar nos velhos, gostaria de partilhar convosco uma das histórias mais pungentes, mas com final feliz, deste livro, um pequeno capítulo com o título sugestivo de Silêncio e Revolta.
Trata-se da história de um jovem guardador de vacas a quem o patrão deu uma botas. Tinha 13 anos. Mas um dia algumas vacas morreram. O patrão já não precisava dele. Tirou-lhe as botas e, descalço, mandou-o para casa dos seus pais.
O jovem emigrou. Começou a trabalhar na construção civil. Casou. A sua mulher era empregada de limpeza. No início de 80 houve um surto de racismo ou melhor, de xenofobia.
Como escreveu Benjamin Constant em 1816, no seu Journaux Intimes (Diários Íntimos), “há em todos os franceses ressentimento contra o estrangeiro”.
Mas este emigrante venceu o ressentimento.
Os filhos já se interessavam pela política. Dominavam a língua e exprimiam-se de forma escorreita. A filha formou-se na Academia, ao contrário de outros portugueses que eram arrastados para as escolas profissionais.
E, nas suas palavras, injustiça por injustiça, prefere a de França à de Portugal.
Já se reformou, tem uma vida confortável, mas não quer regressar.
“Ao meu país não devo nada! A este, sim!”, clama do alto da sua lucidez e memória.

Falemos pois dos velhos. Ei-los que chegam.
Se no início da emigração foram as crianças que sofreram o abandono dos pais, anos e anos depois são os velhos que regressam à aldeia e esperam uma carta ou uma visita dos filhos e netos que ficaram em França.
É o regresso definitivo da mãe com uma bronquite crónica. Outro que chega com uma boa reforma, mas com problemas na coluna.
As terras onde investiram muitas das suas poupanças vão sendo abandonadas ou mudam de novo de dono.
Escreve Isabel Mateus: “Estão todos velhos! Um queixa-se do reumático, um já não pode com as pernas, outro já não se atreve com as bestas”.
Põem muitas reticências ao SNS. Alguns vão tratar-se a França. Os netos mal chegam à aldeia, sonham com outros espaços, a cidade ou a praia. A aldeia pouco lhes diz.
“Temos o que comer, mas para mim já não é o suficiente”, diz a mulher que regressou com o marido à terra, uma aldeia transformada em deserto e onde nada acontece, ligada aos filhos e aos netos que estão em França e à França. Et voila.


Conclusão

Creio, e por tal me penitencio, ter-me alargado de mais.
Para concluir gostaria de deixar dois ou três tópicos para alguém, e não porque a própria Isabel Mateus?, desenvolver esta temática tão estimulante.
O português foi sempre, desde os Descobrimentos, emigrante ou aventureiro, à procura de outras terras e cabedais, mais do que propriamente de intercâmbio de culturas.
A nossa diáspora já tem séculos. No século XIX o éden foi a Brasil, com a emigração e os seus intervenientes tão bem descritos e tantas vezes caricaturizados por Camilo. Houve também um surto emigratório para a América (Estados Unidos e Venezuela).
Na década de 60 assistimos e muitos participaram na saga que foi a emigração para a França e a Alemanha. Foram os barrigas ao léu de Fernão Lopes os heróis anónimos, mas os construtores de uma História ainda que o seu nome não apareça nos manuais.
De outra emigração haveria que falar: dos retornados em contraponto aos emigrantes.
Se estes cultivaram a poupança, sempre ao serviço de outros, aqueles, perdendo as poupanças, optaram pelo investimento, eles que tinham tido outros ao serviço deles.
Mas para este tema não sou eu a pessoa mais indicada, embora seja sedutor analisar as diferenças, investigar as origens e reflectir sobre as consequências.
Já fugi do tema original desta apresentação.
Peço que me desculpem.
Por fim, estou grato à Isabel Mateus por me ter dado um retrato tão vivo, assente em depoimentos e na sua própria experiência, do que foi e tem sido a emigração em França.
Um dia, no futuro, alguém que queira estudar a emigração terá obrigatoriamente de ler este trabalho.
Obrigado pela vossa atenção e pela vossa paciência.

Rogério Rodrigues.

3 comentários:

Anónimo disse...

Sou transmontano, conheço a vida difícil, suada, desta hospitaleira, sincera e humilde terra, votada ao esquecimento.
A emigração para França de muitos bons transmontanos, fez parte de alguns da minha família em busca do pão para a boca. Os Transmontanos, estejam onde estiverem criam laços de fraternidade, mais do que qualquer outro povo, são pessoas afáveis, simples e não estranham ao longo da sua vida fora todas as dificuldades que lhes surjam pela frente.
Tenho orgulho em ser transmontano!
Estão de parabéns a Autora do livro e o apresentador com este excelente texto de apresentação do livro "A Terra do Chiculate",
AC

Anónimo disse...

Mais do que uma recensão ao livro da Isabel, o trabalho do Rogério é um grande ensaio sobre as questões da emigração. Parabéns a ambos!
abçº.
n.

Prof. Vera disse...

O tema foi muito bem escolhido porque foi a vida de muitos portugueses há algum tempo atrás. As suas vivências recordam-nos as imensas dificuldades dos imigrantes que ansiavam por uma vida melhor e se atiravam aos trabalhos mais duros e indesejados para regressar mais desafogados ao seu país. Quantas vezes foram recebidos com uma certa frieza?
Bem-haja à Isabel por mais um livro com interesse que enriquece os moncorvenses.
Vera Pessoa