segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Açúcar de dezembro

As bolas ( farinha, ovo, abóbora, açúcar e canela).

Rabanadas ( pão, leite, ovo, açúcar e canela).

Os milhos (farinha de milho amarelo, açúcar e canela).

Natas do céu, pela mão do rio Douro.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

NATIVIDADE: “Midwife and Vet”

A história “Midwife and Vet” é a sexta de doze narrativas incluídas no primeiro volume da colecção bilingue “Portuguese Insight” intitulado Tales of Rural Portugal, estando a sua publicação prevista para o início de 2012.
As histórias foram extraídas de Outros Contos da Montanha (2009), de Isabel Mateus, e traduzidas para o inglês por Patrícia Anne Odber de Baubeta, Professora e Directora da Cátedra Gil Vicente na Universidade de Birmingham, Reino Unido.
As estórias seleccionados reflectem aspetos da vida da comunidade rural portuguesa, desde uma época passada a tempos mais recentes, incidindo, em particular, no estatuto da mulher no interior do grupo socialmente institucionalizado sob o modelo do patriarcado.
Com “Midwife and Vet” (A Veterinária-Parteira) deixo-vos a antevisão da universalidade concedida ao nosso Portugal rural e, neste caso, ao tema da Natividade através da excelente tradução inglesa, sempre em busca da apropriação do sentido inicial dos textos em conformidade com as nuances linguísticas inerentes ao respetivo contexto da ruralidade anglo-saxónico. Anteponho-lhe, porém, a síntese em verso que a nova leitura do conto me proporcionou no presente Natal.
Boas Festas!

Natal 2011

A condição da Montanha
Elevada de novo ao Universal:
É a Mulher que expele num grito de dor e alegria
A Vida,
É um Deus-Menino ao natural
A rasgar as suas entranhas
No seu primeiro choro,
É a Eternidade
Expurgada por mãos tentaculares
E embalada no colo Eterno da Veterinária-Parteira.

Midwife and Vet

Christmas Eve was coming and a white blanket covered the darkness of Granja, of the land and its dwellers. The table was laid for the Christmas supper and someone was hammering on the door in desperation:
“Ma Grabulha! Ma Grabulha!!
“Come in, whoever you are. The door’s on the latch.”
The child was born without any mishap. Many more than thirty years before she had brought his father into the world, but what was she to do now when the fine linen swaddling clothes had been replaced by disposable nappies and simple little dresses by fiddly, complicated garments?
She attended the birth throughout the night. Now came the most difficult part: washing and dressing the child. At seventy and more, she was no longer fit for adventures like this. Next morning, seeing her come home tired, forehead wrinkled and her expression woeful and pensive at the same time, her granddaughter asked:
“What’s the matter, grandma?”
“Nothing, child. We have another boy child here in Granja. But I still haven’t dealt with him properly. I left him wrapped up beside his mother and came back home. I have to go back in a while, but I don’t know whether I dare try to get him ready.”
She didn’t want to admit defeat, but this time she sensed she was in a quandary. All the marriageable lads and lasses had passed through her hands and, even the heads of the local families. So she had to keep up her reputation for carrying out the task that had been entrusted to her for generations. She couldn’t give way now, just because these were modern times and lots of people were going to the hospital in the town to give birth, or because practically no births were being registered in this village. The truth is, those women who might be her birthing mothers were in Brazil, Africa, France, Germany or even in the Capital, where there were huge maternity hospitals, doctors and specialist nurses.
Seeing how upset she was, her granddaughter wouldn’t let her be.
“I’ll go with you, I’ll get the baby ready.”
“Yes, I’ve changed my cousins’ nappies plenty of times and I’ve helped take care of them. There won’t be any problem.”
Although she was apprehensive, the grandmother felt reassured in her granddaughter’s company. When they went in, mother and son were almost asleep.
Nevertheless, it was time to get the child to rights.
The little nine-year-old girl washed the pink flushed body of the newly born infant, still smelling of the birth, in a white enamel basin. Straight away, with easy confidence, she dried him, dressed him and there he was, all ready for life.
“No trouble at all!” she exclaimed, overjoyed.
Her grandmother looked on in amazement. She had given birth six times. She only called from the bed to her mother and mother-in-law, chatting beside the hearth, after her son or daughter had emerged from her belly. She would shout:
“It’s done, you can come over now.”
Wasn’t she the one who said she found it harder to drink a glass of water than give birth to a child? Didn’t she also attend all the female livestock? Didn’t she even carry out little operations, if an animal was born with a defect or contracted some illness? That’s why they called her the veterinarian. Of course, her hands did shake a little now, but for the little girl to have got her out of such a pickle, well that was really saying something.
Well, now that that problem was solved, it just remained to place the child at his mother’s breast. That’s how they did it in her day. But even in this matter, things were no longer what they were. Either the mother didn’t feel strong enough, or the child was not interested in suckling, or because it was the age of the feeding bottle – the baby was bottle fed.
In the meantime, they had to respond to his hungry cries, which were becoming more and more intense.
“Is there a dummy?” the little girl turned to the mother.
“Yes, it’s in the little basket on top of the chest of drawers along with the rest of the baby’s accessories.”
While her granddaughter was heating the water for the powdered milk to be given to the child, the rubber dummy solved the problem and the grandmother could again breathe a sigh of relief. In the days that followed, she could only say:
“If it wasn’t for my granddaughter, I wouldn’t have been up to the job.”
She was, but times had changed. She had done the difficult part of the business, after all. The truth is, from then on, she will no longer have to worry, because her grandchildren, great-grandchildren, relatives and neighbours who are born afterwards, and those who continue to be born, fewer than before, certainly, come into the world in the maternity wards of distant hospitals.
It was with sadness and nostalgia that just a short time ago her granddaughter gave birth to her own daughter in a foreign land, in a strange and somehow hostile atmosphere, without the familiarity of a warm, tender, loving voice. Perhaps if we could carry on being born in the same places as our ancestors, helped by grandmother-midwives, then post partum depression and all the other afflictions caused by loneliness and isolation would cease to exist, or at least be reduced to bearable levels.
Still, I am certain of the happiness and the gains that would result from each generation being able to see their successors exploding into life at the exact time, at the very moment of their birth.
On that Christmas, however, Jesus didn’t just revisit the earth: another Boy Child was reborn in Granja, attended by an old midwife and veterinarian, and warmed by the breath of the whole community.

Translated by Dr. Patricia Odber de Baubeta from Outros Contos da Montanha, Isabel Mateus.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011


segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Emigração - Ilca, uma vida entre Portugal e Suíça

Na edição em português do jornal suíço "on line" Swissinfo, é publicada uma reportagem (datada de Setembro de 2008) em que se conta a história de emigração de uma moncorvense que regressou às suas origens. Como aqui temos publicado diversas histórias de emigração, sobretudo pela pena da nossa distinta colaboradora Professora Isabel Mateus, aqui fica mais este depoimento. É caso para se dizer que há sempre um(a) moncorvese em todo o lado!

«Trás-os-Montes, norte de Portugal. Desde os anos 50, essa região isolada, entre planícies e vales conheceu várias ondas de emigração. Originária de Torre de Moncorvo, Ilca Martinho voltou às suas origens depois de 15 anos na Suíça.
Originária de Torre de Moncorvo, Ilca Martinho voltou às suas origens depois de 15 anos na Suíça.
Em Torre de Moncorvo, região banhada pelo sol, os alto-falantes difundem permanentemente música portuguesa. Nas ruas dessa cidade (três mil habitantes), os carros são matriculados na Suíça, França e Alemanha. O verão é o mês dos imigrantes que vêm passar férias reparadoras em família, na pátria, antes de voltar para o país de acolho.
Ilca Martinho tomou um caminho diferente. Ela voltou a viver em Torre de Moncorvo após ter trabalhado em Sion, trazendo com ela sua filha, Catia. Desde então, Ilca vive dividida entre dois países e dois universos: seu marido trabalha até hoje na Suíça e seu filho vive com uma suíça.
Surpresa pelo interesse despertado pela sua pessoa, Ilca se mostra reticente antes de revelar alguns segredos pessoais. "Tenho 55 anos. Eu tinha 23 ou 24 quando abandonei meu país para seguir meu marido à Suíça, com meu filho de quatro anos. Imagine! Repentinamente eu me vi nas vinhas, eu que, apesar de ser filha de agricultores, nunca havia trabalhado no campo".
Os olhos negros de Ilca piscam maliciosamente. Na sua grande sala repleta de móveis em madeira maciça cobertos de cristais, confortavelmente instalada no seu sofá, ela tenta resumir sua vida entre a Suíça e Portugal.
O casal Martinho, quando chega à Sion em 1982, não tem dificuldade de encontrar emprego. Os contratos de nove meses se encadeiam como mandava a lei em vigor na época, antes de obter o visto de estadia. Ilca, orgulhosa de nunca ter sido ilegal, se candidata para um emprego na empresa relojoeira Swatch e obtém um contrato de operária. Seu marido torna-se motorista de caminhão, profissão que exerce até hoje.
"Eu os visito freqüentemente e meu marido vem dois meses por ano para cá. Hoje em dia é mais fácil de ir para a Suíça".»
Ler mais aqui:,_uma_vida_entre_Portugal_e_Suica.html?cid=6891462

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Homenagem aos Professores Adriano Vasco Rodrigues e Maria de Assunção Carqueja, dia 15, sábado, em Moncorvo

A Câmara Municipal de Torre de Moncorvo em parceria com o Centro de Estudos e Promoção da Investigação Histórica e Social (CEPIHS) promove no próximo Sábado, dia 15 de Outubro, uma homenagem aos Professores Maria da Assunção Carqueja e Adriano Vasco Rodrigues, na Biblioteca Municipal de Torre de Moncorvo.
A sessão tem início às 15h30 com a apresentação do livro de poesia “Amanhã é Outro Dia” de Maria da Assunção Carqueja, pelo Senhor Professor Doutor João de Castro Nunes. Logo depois, será apresentado o livro de Homenagem “Percursos de Razão e Afetos” pelo Senhor Professor Fausto Fontes.
O programa termina com uma visita à exposição “Percursos e Afetos de Maria da Assunção Carqueja e Adriano Vasco Rodrigues”.
Maria da Assunção Carqueja é casada com Adriano Vasco Rodrigues e é natural do Felgar, concelho de Moncorvo. Licenciada em Ciências Histórico Filosóficas é autora de várias obras de investigação algumas sobre a história do nosso concelho.
Adriano Vasco Rodrigues é natural da Guarda e a sua carreira profissional foi repartida pela docência e pela investigação científica, tendo uma vasta obra publicada na área da história e arqueologia.


Notícia recolhida do "Jornal Impresso", edição on

terça-feira, 4 de outubro de 2011


No dia mundial dos animais, voar, voar, voar...

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Quadros da Transmontaneidade

Os Quadros da Trasmontaneidade acabaram neste espaço de forma brusca e sem uma explicação e é essa explicação que agora, tardiamente, pretendo dar. É a seguinte:
Faço tenções de colocar os mesmos no papel brevemente e achei por bem considerar que o livro a sair deveria conter alguns originais.
Esta é a razão.

Um abraço a todos,

P.S.: Vale mais tarde que nunca!

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Ainda o acordo ortográfico…

Antes de mais devo dizer que não sou especialista em Língua Portuguesa, sou apenas utilizador da mesma, e porque não sou especialista estou completamente à-vontade sobre determinados pontos de vista. Não passam de mera opinião, posso dizer a maior das barbaridades, e provavelmente será, mas ninguém me poderá pedir explicações. Vale o que vale.
Defendo o acordo ortográfico, já o disse, vejo nele razões para existir. Poderão não ser as razões que deviam presidir para a defesa do mesmo, admito, mas vejo nele razões para ser assinado. Se me perguntarem se não me fere a grafia de “fato” para significar “facto”, respondo de imediato que me fere, e muito. Quando olho para um texto à luz da nova grafia, vejo-o cheio de erros, aliás, como todos. O que não acontecerá às gerações seguintes, de certeza.
Defendo-o porque penso que pode ser uma ponte entre os diferentes PALOP, ou pelo menos inspirador de pontes. Defendo-o porque acredito que num mundo cada vez mais global, onde o peso económico é cada vez mais determinante, será mais fácil defender a “Língua dos Lusos” (o tal lusitanismo de que falam os mais puristas), se formos muitos. Acredito que será mais fácil caminharmos juntos em vez de este retângulo continuar a caminhar sozinho, orgulhosamente só, para parafrasear alguém.
Poderão muitos dizer que essas questões, aquelas que atrás elenquei, não devem ser colocadas para defesa da língua. Devem colocar-se outros critérios, o critério sintático, o histórico, a latinidade, o berço, a génese… sei lá, não discuto, não sei discutir, deixo isso para os especialistas, mas defendo-o porque ninguém é dono da língua, a língua é de quem a fala, e os brasileiros também a utilizam.
Para terminar: não acredito na teoria da conspiração e do imperialismo brasileiro.

domingo, 25 de setembro de 2011

Quadros da Emigração – Por Uma Vida Melhor

A diáspora tem estado presente neste blogue através, sobretudo, dos “Quadros da Emigração”. Por esse motivo, achei pertinente aqui partilhar convosco o recente aparecimento deste testemunho histórico único.
A seguinte peça jornalística de Carina Branco sobre os bairros de lata de França, em Paris, durante os anos sessenta da emigração portuguesa massiva, conta com as fotografias da época de Gérald Bloncourt. Mas não só! O vídeo conta ainda com a revisitação, na actualidade, do mesmo local onde Bloncourt fotografou os portugueses e com eles confraternizou.
Neste vídeo vemos igualmente, pela primeira vez, a capa do livro “A Terra do Chiculate” a caminhar e bem viva por entre o fluxo da emigração em Handaia, 1965.

terça-feira, 20 de setembro de 2011

III Aniversário do Grupo de Teatro Alma de Ferro

Celebrou-se no passado Sábado, dia 17 de Setembro, o 3º. aniversário do Grupo de Teatro Alma de Ferro, de Torre de Moncorvo. Depois de um breve balanço das actividades já realizadas pelo grupo, o Dr. Américo Monteiro, na qualidade de coordenador e encenador, agradeceu os patrocínios que têm recebido, nomeadamente do município de Torre de Moncorvo, entre outras entidades públicas e privadas.
Para quem estivesse à espera de uma exposição apenas de fotografias e recortes, esta exposição foi uma surpresa, uma vez que se apresentaram várias peças do guarda-roupa (em suportes escultóricos improvisados para o efeito), elementos de cenários das várias peças e, voilá!, a recriação de alguns dos momentos mais marcantes de cada peça, através dos respectivos actores, trajados a rigor. - Aqui fica um breve registo fotográfico:
Momento em que Américo Monteiro descerrou os painéis com recortes e fotografias alusivos às actuações do grupo, enquanto o "boneco" saído de uma mala do sótão (figura criada e interpretada por Esperança Moreno) o observa.

Vista geral da exposição, apreciada e altamente elogiada pelo Presidente da Câmara (em primeiro plano, na foto).

Outro aspecto da sala da exposição, em que se recriaram os cenários de várias peças, desde a "Lenda de Moncorvo", o "Consultório" (de A. M. Pires Cabral), "Falar Verdade a Mentir" (de A. Garrett), "Deus lhe pague!" (de J. Camargo), entre outras.

Excerto de "O Consultório", apresentada por A. Monteiro, com as actrizes Marilú e Esperança em cena.

Momento e cenário da peça "Deus lhe pague!", com o pedinte "Barata" (Luís Pires) à porta da igreja...

Mas o "momento alto" (também porque interveio do cimo das escadas) foi a aparição do escritor Campos Monteiro (interpretado por Camané Ricardo, tirando partido de algumas parecenças com o ilustre escritor moncorvense). Em complemento desta actuação, a Biblioteca Municipal montou uma exposição de textos e imagens sobre a Vida e Obra deste ilustre escritor, hoje bastante esquecido, como se lamentou o seu fantasma, pela voz do Camané...

Momento final da confraternização, nos jardins da Biblioteca, que junto os elementos do Grupo Alma de Ferro (actores, encenador e técnicos), da Biblioteca e numeroso público que se quis associar a este aniversário-exposição e cantar os parabéns ao "menino Alma de Ferro".

Vida longa, é que lhe(s) desejamos também.

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

"Trás os Montes e Alto Douro" - antologia é apresentada amanhã em Lagoaça

É apresentada amanhã em Lagoaça (no vizinho concelho de Freixo de Espada à Cinta), a antologia "Trás-os-Montes e Alto Douro - mosaico de ciência e cultura", coordenada pelo Dr. Armando Palavras e editada pelo Dr. António Neto (Exoterra edições), ambos naturais daquela freguesia. A iniciativa insere-se no programa das festividades de Nossa Senhora das Graças, que decorrem este fim de semana.
A apresentação da referida colectânea será feita pelos Doutores Márcia Trigo, Amadeu Ferreira, Modesto Navarro e Fernando Branco e terá início às 18;30h, na praça Augusto Moreno, em Lagoaça.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Quadros da Emigração - Poema: "O Tempo, A Bocarra do Inferno"

O Tempo,
A Bocarra do Inferno

Tempo da Ida

A mente conjectura
Meandros recônditos
De infindáveis caminhos a percorrer,
Porque o Tempo
Se revela infinito
Quando, em cada momento, a ânsia do pensamento percorre,
Todas as arestas dos segundos, dos minutos e das horas
e faz a soma
a contar com a contagem mansa, cadenciada dos dias de férias
Tal qual ribeiros cristalinos
A escorrerem tranquilos
sob o sol tórrido
e os zumbidos embriagados das abelhas
pelas longas e intermináveis tardes transmontanas da infância...

Tempo da Estada

Tal qual bandos de aves
Que levantam voo
Mal chega a hora da debandada
Para territórios quentes ou frios
Onde se exilam no travo amargo do Tempo
Que teima em não chegar...

Tempo da Volta

Tal é a bocarranha do inferno,
Que o Tempo,
Deixou tudo na incompletude
Do ano derradeiro.

Bocarra que (me) devora e tritura
A lisura arreganhada
Do Regresso adiado pelo Tempo.

sábado, 3 de setembro de 2011


Ficus Indica
Figos da Índia ou figos palmeiros, colheita de 2011. Proporcionam um excelente licor.

Libelinha aterra numa giesta, enquanto descansa a sua liberdade.

Fotos: João Costa

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

"A Terra do Chiculate ", por Rogério Rodrigues - III

Intervenção Cívica

A intervenção política da emigração portuguesa nunca foi significativa. Foi uma emigração essencialmente económica, diferente da espanhola ( refugiados da guerra civil, muitos deles combatentes, mais tarde nos maquis contra os alemães), mesmo dos italianos e de alguns países de Leste, fugidos ao regime bolchevique, muitos russos brancos, oficiais polacos e húngaros. Diga-se que já década de 60, apesar da Ditadura franquista, a economia espanhola começava a ser próspera.
Começam agora a aparecer alguns filhos e netos de emigrantes, como Nathalie Oliveira, por exemplo, conselheira municipal de Metz, a tentar intervir na sociedade e na política francesas. Mas são uma gota de água no oceano. Em 900 mil portugueses existentes em França, ainda são poucos os que frequentam a Universidade. Muitos deles ficam-se pelos cursos médios das escolas profissionais.
Já os seus pais nunca compreenderam a rebelião geracional de Maio de 68. Ficaram atemorizados com as utopias de Cohn –Bendit, Alain Krivine e Jacques Sauvageot. Eram utopias que não faziam parte do seu universo Eram-lhes incompreensíveis e sobretudo, motivo de inquietação. As greves e a greve geral apanharam-nos desprevenidos. Alguns furaram-nas e muitos fizeram as malas e viajaram até Portugal à espera que o Inverno da realpolitik matasse o enxame das utopias.
Outro tipo de emigrantes esteve activo nas manifestações do Maio de 68. Não pertencia à comunidade dos emigrantes. Eram os exilados e fugidos à guerra colonial Faziam sobretudo política, divididos nos mais diversificados grupúsculos: comunistas ( revisionistas ou sociais-fascistas como mais tarde seriam classificados por essa exuberância e impertinência ideológicas consumíveis no chamado MRPP), maoistas, trotkistas, guevaristas.
Jorge Palma toca no metro, Luís Cília compunha a música do filme O Salto de Christian Chalonge, Zeca Afonso, um desconhecido para os emigrantes, gravava com Fausto e José Mário Branco, num palacete dos arredores de *Paris, a Grândola,Vila Morena. Mas o contacto com os emigrantes era praticamente inexistente, exceptuando a distribuição do jornal O Emigrante, de forte carga política, na banlieue, nos bairros periféricos de Paris, Champigny e Aubervilliers, entre outros.

Os Velhos

Antes de falar nos velhos, gostaria de partilhar convosco uma das histórias mais pungentes, mas com final feliz, deste livro, um pequeno capítulo com o título sugestivo de Silêncio e Revolta.
Trata-se da história de um jovem guardador de vacas a quem o patrão deu uma botas. Tinha 13 anos. Mas um dia algumas vacas morreram. O patrão já não precisava dele. Tirou-lhe as botas e, descalço, mandou-o para casa dos seus pais.
O jovem emigrou. Começou a trabalhar na construção civil. Casou. A sua mulher era empregada de limpeza. No início de 80 houve um surto de racismo ou melhor, de xenofobia.
Como escreveu Benjamin Constant em 1816, no seu Journaux Intimes (Diários Íntimos), “há em todos os franceses ressentimento contra o estrangeiro”.
Mas este emigrante venceu o ressentimento.
Os filhos já se interessavam pela política. Dominavam a língua e exprimiam-se de forma escorreita. A filha formou-se na Academia, ao contrário de outros portugueses que eram arrastados para as escolas profissionais.
E, nas suas palavras, injustiça por injustiça, prefere a de França à de Portugal.
Já se reformou, tem uma vida confortável, mas não quer regressar.
“Ao meu país não devo nada! A este, sim!”, clama do alto da sua lucidez e memória.

Falemos pois dos velhos. Ei-los que chegam.
Se no início da emigração foram as crianças que sofreram o abandono dos pais, anos e anos depois são os velhos que regressam à aldeia e esperam uma carta ou uma visita dos filhos e netos que ficaram em França.
É o regresso definitivo da mãe com uma bronquite crónica. Outro que chega com uma boa reforma, mas com problemas na coluna.
As terras onde investiram muitas das suas poupanças vão sendo abandonadas ou mudam de novo de dono.
Escreve Isabel Mateus: “Estão todos velhos! Um queixa-se do reumático, um já não pode com as pernas, outro já não se atreve com as bestas”.
Põem muitas reticências ao SNS. Alguns vão tratar-se a França. Os netos mal chegam à aldeia, sonham com outros espaços, a cidade ou a praia. A aldeia pouco lhes diz.
“Temos o que comer, mas para mim já não é o suficiente”, diz a mulher que regressou com o marido à terra, uma aldeia transformada em deserto e onde nada acontece, ligada aos filhos e aos netos que estão em França e à França. Et voila.


Creio, e por tal me penitencio, ter-me alargado de mais.
Para concluir gostaria de deixar dois ou três tópicos para alguém, e não porque a própria Isabel Mateus?, desenvolver esta temática tão estimulante.
O português foi sempre, desde os Descobrimentos, emigrante ou aventureiro, à procura de outras terras e cabedais, mais do que propriamente de intercâmbio de culturas.
A nossa diáspora já tem séculos. No século XIX o éden foi a Brasil, com a emigração e os seus intervenientes tão bem descritos e tantas vezes caricaturizados por Camilo. Houve também um surto emigratório para a América (Estados Unidos e Venezuela).
Na década de 60 assistimos e muitos participaram na saga que foi a emigração para a França e a Alemanha. Foram os barrigas ao léu de Fernão Lopes os heróis anónimos, mas os construtores de uma História ainda que o seu nome não apareça nos manuais.
De outra emigração haveria que falar: dos retornados em contraponto aos emigrantes.
Se estes cultivaram a poupança, sempre ao serviço de outros, aqueles, perdendo as poupanças, optaram pelo investimento, eles que tinham tido outros ao serviço deles.
Mas para este tema não sou eu a pessoa mais indicada, embora seja sedutor analisar as diferenças, investigar as origens e reflectir sobre as consequências.
Já fugi do tema original desta apresentação.
Peço que me desculpem.
Por fim, estou grato à Isabel Mateus por me ter dado um retrato tão vivo, assente em depoimentos e na sua própria experiência, do que foi e tem sido a emigração em França.
Um dia, no futuro, alguém que queira estudar a emigração terá obrigatoriamente de ler este trabalho.
Obrigado pela vossa atenção e pela vossa paciência.

Rogério Rodrigues.

Belo horrível

Torre de Moncorvo, 27 de agosto de 2011.

Cenário prontamente desfeito pela mão dos bombeiros, numa guerra contra dedos - cabeça de fósforo.

"ATerra do Chiculate ", por Rogério Rodrigues - II

As Novas Gerações

Citando Isabel Mateus: “ Há mesmo quem afirme que os portugueses de França ainda não se libertaram do estigma inicial das suas condições de chegada àquela terra estrangeira e que isso os coíbe de se manifestarem publicamente e perante as autoridades locais”.
Só hoje, em parte pela revolução tecnológica, a terceira geração começa a libertar-se desse estigma, muito embora a sua intervenção política e social, como manifestações de uma cidadania já assumida, seja muito rara. Um pouco mais adiante tentarei reflectir sobre o enquadramento político dos emigrantes na sociedade francesa.
A importância do futebol, neutra em termos de intervenção, mas de auto-estima em termos de identidade, é um facto, quer quando joga a selecção nacional, seja quando os clubes portugueses em pré-época estagiam em países onde há fortes comunidades de emigrantes.
Já na segunda geração havia sinais da libertação da memória e cultura dos seus pais que, raramente lhes revelavam as condições quase desumanas, dos seus primeiros meses de vida em França. Por vergonha talvez e porque assumiram essa experiência como uma realidade degradante, já ultrapassada, mas que era necessário bloquear na memória. Os primeiros emigrantes quando se encontram tentam de algum modo esconder entre si o que individual e colectivamente passaram nos primeiros tempos. Todos eles se reconhecem numa memória silenciada a que só agora, mesmo assim parcialmente foi retirada um pouco da cortina para Isabel Mateus a poder olhar e conservar. Mas o muro ainda não foi destruído, nem a cortina de todo rasgada.
De qualquer modo, o encontro de Metz foi o princípio da catarse. Filhos houve, nesse encontro, que, pela primeira, souberam da saga dos seus pais.

O "Salto", escultura apresentada num dos lançamentos da obra.

Outro tipo de emigrante, não porque a sua condição económica fosse diferente, mas porque já tinha ultrapassado os horizontes da aldeia é o que foi soldado na guerra e desmobilizado e regressado à aldeia se confrontou com um realidade onde ele já não tinha lugar. Além do mato e do medo, conhecera a cidade, formas de vida diferentes, gente de outras regiões com quem contactou e estabeleceu laços de camaradagem. E parte para França ou Alemanha. A desertificação do interior acentua-se. A população diminui drasticamente. Portugal com uma guerra em três frentes de batalha não tem saída. Os ventos da história sopram contra a obstinação portuguesa. A década de 60 é a década por excelência da independência dos povos africanos. E os portugueses reconstroem como mão de obra não qualificada a França e Alemanha cujas infra-estruturas tinham sido destruídas pela II Grande Guerra. Os portugueses emigrantes são peça importante no boom económico destes dois países na década de 60 e inícios de 70.

Com a vida estabilizada, com casa já confortável, começaram então a surgir as associações, os bailes; a comunidade encontrava-se ao fim de semana.
Sublinha a autora: “ os jovens do campo suspiravam pela pronúncia das grandes cidades, das suas roupas e das suas comidas. Queriam despir-se de tudo o que lhes evocasse ruralidade, em suma, a “parvónia”.
O negócio das cassetes recheadas de música pimba tornou-se um maná para Linda de Suza (Sousa mas como o ou em francês se lê u, a grafia sujeitou-se à fonética), Tony Carreira, Quim Barreiros e afins.
Os bailes eram revivalistas, como se transportassem a aldeia de que nunca tinham partido, mesmo partindo, para aquele espaço de um salão urbano ainda que periférico com as danças tradicionais ao som da concertina e os inevitáveis caldo verde, bolinhos de bacalhau e sardinha assada. Porque não passava um dia que não vissem a sua aldeia.
Os mais novos iam gradualmente fugindo a esta liturgia dos pais. A música era outra e os macdonalds e hamburguers substituiam os bolinhos de bacalhau.


Mas há também uma parte negra da emigração que tem sido ocultada : a disfuncionalidade, a marginalidade social de uma certa juventude da segunda geração que não aceitando já os cânones de vida e os valores dos seus pais, assimilavam da cultura francesa os aspectos mais negativos. Uns acabaram na prisão de Fresnes, outros arrastaram-se no insucesso escolar, outros formaram, por exemplo, a quadrilha dos Cavacos que, nos meados da década de 80, assolou o país com dezenas de assaltos a bancos e algumas mortes. É certo que eram na maioria algarvios ( havia apenas um transmontano de uma aldeia de Vinhais), região onde os valores rurais não eram tão vincados, pela circunstância de um incipiente cosmopolitismo, via indústria turística, levando ao gradual abandono da terra como sustento e fonte de trabalho.
Havia ainda os que se foram degradando pelo álcool, pela permanência no desemprego, a ponto de acabarem por ser rejeitados pela comunidade e alguns transformarem-se em clochards, os nossos sem-abrigo.
Outros, que se recusavam, por vergonha, a regressar à aldeia tão pobres como tinham partido.
É certo que esta realidade, compreensivelmente tem sido silenciada, mas é de justiça que não seja esquecida, embora parcelar e menor na generalidade da condição do emigrante.

Texto: Rogério Rodrigues / Imagem: João Costa

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

"A Terra do Chiculate", por Rogério Rodrigues - I

Por gentileza de Rogério Rodrigues, a quem desde já agradecemos, publicaremos faseadamente o texto-suporte à apresentação de " A Terra de Chiculate", de Isabel Mateus.

Prometo ser breve, mas não garanto, como costuma dizer o dr. Almeida Santos. E pretendo que a exposição seja o mais simples possível.

Este é um livro que não uma mala de cartão, antes uma mala de viagens, viagens de dias a pé pelas montanhas até ao regresso de avião que o check in on line já foi feito pelo neto.
É um livro de lugares, afectos, desafectos, de percursos comuns na origem, de silêncios envergonhados, memórias bloqueadas e, por fim, algum apaziguamento. Sem ajuste de contas, o passado é reabilitado e gravado em letra, em memória dos que sofreram e para informação dos que esqueceram ou desconheceram. Porque, recordando uma máxima latina, verba volant et scripta manent. As palavras voam e a escrita permanece.

Duas são as personagens que tutelam este livro – a avó e o Pai Natal em chocolate, nas suas formas vermelhas, um pouco as formas da Coca-Cola. O amparo de quem ficou e as prendas que chegam dos que partiram.
Antes de entrarmos numa leitura mais pormenorizada do livro, assentemos em algumas noções básicas e outras tantas reflexões para melhor entendermos e apreciarmos o esforço de tolerância e o despojamento da autora na tentativa de compreensão da sua infância sem mãe presente, situação igual à de tantas outras crianças, filhos e filhas de emigrantes, entregues aos cuidados da avó.
Vale a pena descrever um dos gritos de revolta. E passo a citar:”Porque não me levas contigo como fazem os outros pais?
-Pois, dizes bem, minha filha! Os teus amigos têm pai e têm mãe…
-Não me digas que, ainda por cima, tenho culpa de não ter pai!? Matei-o, por acaso?
-Não foi o que disse! Mas como poderei trabalhar 14 horas por dia contigo a meu cargo?”. Fim de citação.

A avó surge no livro, sobretudo na primeira parte, como a figura tutelar de toda uma geração que só via os pais nos dias quentes de Agosto. O envio de dinheiro não compensava a necessidade do carinho.
A violência que o livro por vezes liberta é suavizada pelo sussurro poético que penetra em muitas páginas e humaniza situações dramáticas.
Na década de 60, no auge da emigração, praticamente coincidente com o início da guerra colonial, o mundo rural mantinha-se, nos seus fundamentos, imutável. A chegada a um espaço urbano sempre em permanente mutação, criou uma autêntica revolução interior nos emigrantes, aceitando o domínio francês, mas desenvolvendo a sua auto-estima, mais patente em relação aos que ficaram na terra. Os valores eram outros, sociais e económicos, o quotidiano consumista era para eles incompreensível. Não se compaginava com a poupança. Socorro-me das palavras da autora quando reflecte sobre “as discrepâncias entre subdesenvolvimento económico, social e cultural das infra-estruturas portuguesas face à opulência da realidade francesa”.
Depois havia a barreira da língua. Muitos ignoravam a própria. E então adquiriram e aportuguesaram novos vocábulos que não faziam parte do seu universo rural.
E quando começaram a vir de férias, foram alvo da inveja, uma das fontes do ressentimento, como escreveu o historiador Marc Ferro.
Lembra a propósito Isabel Mateus “a arrogância e a atitude provocadora dos que permaneceram versus aos que se ausentaram”.
Já tinham pago ao passador ( nos seus códigos de honra o primeiro dinheiro poupado era para entregar ao passador), começaram a comprar terras a quem tinham servido, num desejo intenso, no prazer da compensação, com um sentimento original e quase sagrado da propriedade privada. E construíram casas ao arrepio da arquitectura tradicional da aldeia.
As poupanças que colocavam os bancos serviam não para desenvolver as suas terras, a sua região, mas antes para serem aplicadas em investimentos no litoral e para alimentar a máquina de guerra.

Rogério Rodrigues num momento da sua prelecção.

Quando chegavam de férias, a Vila agitava-se. Eram os carros de matrícula francesa, a inveja e o ressentimento que se manifestavam em críticas mordazes, salientando o ridículo que afinal não passava de uma ostentação naive de quem tinha acesso à moeda forte.
O preço dos produtos subia, nos andores das procissões predominavam as notas francesas (muitas das festas das aldeias foram mesmo alteradas para Agosto, o mês de férias dos emigrantes), e ouvia-se um linguajar estranho, cheio de corruptelas vocabulares, assente na componente fonética que, se por um lado servia de identificação do emigrante, por outro, era compreensível a sua utilização, pois, com frequência, desconheciam a palavra equivalente em português.
Route porque não havia estradas no seu vocabulário rudimentar. Apenas caminhos ou canelhas.
Usina, porque não havia fábricas no mundo rural. Mal eles imaginavam que fábrica no português-brasileiro se diz usina.
Vacanças porque ignoravam o que eram férias.
Retraite porque nunca tinham ouvido falar em reforma.
Batiment e chantier porque os altos prédios e estaleiros nunca tinham feito parte do seu universo.
Femme de ménage, intraduzível em português na sua época, pois não havia mulheres da limpeza, antes criadas de servir, com uma conotação bem diferente e mais pejorativa.
Muitos e muitos vocábulos poderíamos analisar, não apenas nos limites da linguística mas, sobretudo, na sua explicação sociológica.

Texto: Rogério Rodrigues / Foto: João Costa


terça-feira, 30 de agosto de 2011

" ATerra do Chiculate" de Isabel Mateus, e "A Aldeia", de Francisco Moura

Tal como divulgámos neste espaço, decorreu, no passado dia 27, na biblioteca municipal de Torre de Moncorvo, a apresentação do livro "A Terra do Chiculate", de Isabel Mateus, e da abertura da exposição de pintura " A Aldeia", de Francisco Moura, no Centro de Memória de Torre de Moncorvo.

A publicação de Isabel Mateus foi apresentada por Rogério Rodrigues, perante um vasto público, sendo evidente o contributo desta obra para o estudo da emigração portuguesa.
" A Aldeia", de Francisco Moura, aguareliza traços e troços de Carviçais, num conjunto de duas dezenas de trabalhos, expostos até 25 de setembro.

O auditório da "Terra de Chiculate".

Abertura da sessão pelo sr. Presidente da Câmara, Eng. Aires Fereira.

Rogério Rodrigues e a autora, Isabel Mateus.

Algumas palavras do Sr. Presidente, Eng. Aires Ferreira, para as aguarelas de Francisco Moura.

Imagens: João Costa

Faleceu o mestre ferreiro Sr. António Carvalho

António Augusto Carvalho nasceu em Felgueiras (concelho de Torre de Moncorvo) em 20.10.1920. Exerceu várias actividades antes de se concentrar na arte de ferreiro, que iniciou a picar foices na forja de seu compadre, João Alberto Rebelo, na aldeia de Felgueiras, terra de ferreiros desde a Idade Média. Homem trabalhador e engenhoso, acabou por adquirir a forja do compadre e, mais tarde, transferiu-a para o Carvalhal, onde modernizou os processos de trabalho, sendo um dos mais categorizados ferreiros/serralheiros da região. Nas horas vagas tocava guitarra, cantava e compunha versos.

Ofereceu vários objectos da sua forja ao Museu do Ferro, tanto na fase da Ferrominas, como na fase em que o museu se instalou na sede do concelho. Por este motivo, em 2005, o museu organizou uma singela homenagem em sua honra, quando completou os 85 anos. Era visita regular desta instituição museológica, antes de as forças o reterem no Lar da Fundação F. Meireles, onde faleceu ontem. Os nossos sentidos pêsames a toda a família enlutada.

O funeral realiza-se hoje, pelas 18:30h, na sua terra natal, onde será sepultado.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Livro de Isabel Mateus e Exposição de Francisco Moura, no próximo sábado na biblioteca municipal

(Clicar sobre o convite, para AMPLIAR)

Será apresentado no próximo sábado, dia 27 de Agosto, na Biblioteca Municipal de Torre de Moncorvo o livro de Isabel Mateus, intitulado "A terra do chiculate", o qual versa a problemática da emigração portuguesa (e trasmontana em especial) para terras da mítica Europa (sobretudo para França) - eram as "terras do chicolate", no dizer de um garoto, à época com os pais emigrados. Estará presente a Drª. Maria da Conceição Tina Melhorado, uma das pessoas retratadas no livro, através de uma fotografia do conceituado fotógrafo Gérald Bloncourt (também autor da fotografia da capa). Conceição Melhorado era uma criança nos anos 60, quando seus pais emigraram para França, tendo conhecido na pele os problemas da emigração, o que não a impediu de vencer na vida (ou talvez por isso). - A apresentação do livro estará a cargo de Rogério Rodrigues, também escritor e jornalista, nosso conterrâneo e amigo da autora.

Aproveitamos para informar que o livro "O trigo dos pardais", também de autoria de Isabel Mateus (cujo lançamento noticiámos neste blogue:, foi incluído no Plano Nacional de Leitura (PNL), programa Ler+, sendo recomendado para os níveis do 8º ano de escolaridade. - Aqui ficam as nossas felicitações à ilustre escritora (nossa conterrânea e colaboradora deste blogue) pelo reconhecimento da sua qualidade por parte das entidades oficiais ligadas ao ensino da Língua Portuguesa.

Ainda no sábado à tarde, depois do lançamento do livro de Isabel Mateus, teremos a inauguração de uma exposição de pintura sob o tema "A aldeia", de autoria de Francisco Moura, mostrando diversos aspectos da aldeia de Carviçais. Esta mostra ficará patente no Centro de Memória (agregado à Biblioteca Municipal).

A não perder!!

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Festa de Senhora do Amparo do Felgar - 2011

Decorreu o passado fim de semana a grandiosa festa do Felgar, em honra de Nossa Senhora do Amparo (para os interessados informamos que hoje à noite ainda há o "fim de festa" no recinto do santuário do Vale).
Aqui deixamos uma breve reportagem de alguns momentos, desde o sábado passado, tendo-nos faltado, deste feita, o registo do fogo de artifício e da forte chuvada/trovoada de ontem (domingo), que acabou por estragar a noite de ontem.
Em jeito de balanço: eventos culturais, muita música, animação, além da componente religiosa e, a terminar, uma impressionante trovoada na noite de ontem, eis a festa do Felgar 2011.
(clicar sobre as fotos para as AMPLIAR):
Terra de "Pucareiros", os felgarenses teimam em manter vivas as memórias do trabalho do barro. Graças ao empenhamento e dedicação de Tozé Carneiro ("Pisco" para os amigos) e à falta de um verdadeiro núcleo museológico dedicado ao tema, este ano foi montada uma "Casa do Barro", onde se realizou uma pequena mostra e se procedeu à apresentação do livro "O último oleiro", de António Rómulo Duque.
Capa do livro "O último Oleiro", de Rómulo Duque, onde o autor conta diversas estórias do barro e relata a sua experiência junto de António Rebouta (o ti-Roberto), aquele que é normalmente considerado o último oleiro do Felgar (a viver desta arte como profissional). A obra pode ser pedida à editora Sítio do Livro, Ldª (

Mas afinal ainda há quem não tenha perdido o jeito: o Sr. Sebastião Rebouta, filho de António Rebouta, tem assegurado o título de "último oleiro", depois da morte de seu pai (em 1987). Embora não resida no Felgar e tenha o seu "atelier" a caminho da Açoreira, é neste momento o único praticante da arte por estas terras... Esperemos que algum felgarense mais entusiasta venha a segurar este pendão, ao menos como "hobby"... - tem a palavra o Toninho Duque, entre outros!

Cai a noite e o santuário engalanado prepara-se para o arraial...

Este ano, a figura de proa do cartaz da festa foi o Padre Víctor, verdadeiro caso de sucesso musical pelas nossas terras!...

Momento do concerto do jovem Padre Víctor, já conhecido pelo "padre Pop".

Padre Víctor e sua banda, desbundando altos sons na sua guitarra acústica!...

Domingo à tarde: é o momento da monumental procissão, estreando a avenida nova...

Banda filarmónica de Paço de Sousa (na foto), seguida pela do Felgar, seguem a Senhora do Amparo, a caminho do Santuário...

O povo junta-se para ouvir o Sermão que será proferido do alto do púlpito do Santuário.

Tem a palavra o Sr. diácono Ilídio Mesquita - enaltecendo a Senhora que é Amparo dos felgarenses e de todos os que a Ela recorrem, mas, uma vez mais verberando os familiares que põem as crianças a cumprir promessas descalças, assim como a ostentação das notas nas fitas. Faz-se silêncio...

A virtuosa imagem ainda no andor, mas já no seu espaço, é exposta à devoção dos fiéis que aí vão depositar o seu óbulo e rezar as suas orações...

Um quadro de Rembrandt: cá fora, num recanto do adro, arde o fogo sagrado. Uma virginal Vestal luso-francesa observa pensativa as velas que ardem... Em que pensará ela? Será que procura no fogo ardente a essência do divino? ou será apenas o renovado reencontro com as suas origens, procurando manter viva a chama que a liga aos seus ancestrais? Só ela sabe...
Txt. N.Campos; fotos: N.Campos e Rómulo Duque

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Ainda o inferno do Roboredo, ontem...

Como prometido, aqui ficam mais algumas fotos do inferno do Roborêdo ontem... (clicar sobre as imagens para ampliar e 2X para AMPLIAR mais):
17;36h 17:37h 17:43h 17:44h17:44h 17:44h17:47h17:54hO "day after": hoje, às 10:09h. A terra calcinada ainda fumegava...
Desde a zona da Tribuna, vale do Violão, Quinta da Padrela, Santa Leocádia (em que a capela, por milagre! se manteve branca e incólume), Quinta das Aveleiras (com o fogo a suster-se perto da capela de Santa Teresa), tudo ficou entre o carvão e o cor de cinza... Quanto tempo agora para a paisagem - natural e agrícola - se regenerar?
Se há um culpado nesta "estória", que estas imagens sejam um libelo acusatório e um espinho cravado na consciência do(s) dito(s), especialmente se se tratou de algo intencional...
- Uma nota final de louvor para os Bombeiros Voluntários, e para os pilotos dos helicópteros que, no meio do fumo intenso e altas temperaturas libertadas pelas chamas, conseguiram debelar este impressionante incêndio, tendo as equipas no terreno trabalhado toda a noite nas operações de rescaldo. Fica também o nosso apoio moral aos proprietários atingidos, para que não desanimem e para que rapidamente possam superar os danos.
(Txt. e fotos de N.Campos)